quarta-feira, 7 de março de 2007

It's All In The Game

Grandes Letras
.
.
Esta versão ao vivo de It's All In The Game (com um improviso de Make It Real One More Time) acontece no melhor período de Van Morrison. A pulsão interior e a comoção patentes em palco são absolutamente contagiantes. Rogo-vos que ouçam e vejam o Rei. E a qualidade do som e da imagem até são muito razoáveis. Obrigado YouTube. Se puderem, ouçam também a versão da canção no álbum Into the Music: mais melancólica, mais compassada, mas inesquecível.
.
Many a tear has to fall
But it's all in the game
.
All in the wonderful game
That we know as love
.
You had words with him
And your future's looking dim
But these things your heart can rise above
.
Once in a while he won't call
But it's all in the game
.
Soon he'll be there by your side
With a small bouquet
.
And he'll kiss your lips
And caress your fingertips
And your heart will fly away
.
You had words with him
And your future's looking dim
But these things your heart can rise above
.
Once in a while he won't call
But it's all in the game
.
Soon he'll be there by your side
With a small bouquet
.
And he'll kiss your lips
And caress your fingertips
And your heart will fly away
.

2 comentários:

António Oliveira disse...

Sou grande admirador de Van the man Morrison. É um músico completo que não faz concessões ao sistema. Mas os últimos trabalhos de originais têm sido fracos.
Destaco cinco (só?) entre os meus álbuns preferidos:
Moondance,
Astral Weeks,
No Guru, No Method, No Teacher,
Avalon Sunset,
How Long Has This Been Going On. Este último com Georgie Fame, um mestre na arte de tocar Hammond.
Bom post.

MANHENTE disse...

Tens razão, António: nos últimos álbuns encontram-se poucos temas excepcionais; pelo menos em menor quantidade. No álbum Magic Time, de 2005, por exemplo, o tema Stranded é soberbo; e até o que dá o nome ao álbum.

Pelo conhecimento que tenho, o mesmo acontece com os concertos ao vivo: tem intercalado espectáculos excepcionais com outros absolutamente medíocres. Consoante a sua Soul, está-se bem a ver... Nunca assisti a nenhum, infelizmente.

Mas há algo em Van Morrison que é incontestável, para além do que disseste: é a regularidade da qualidade média do seu trabalho. Contam-se pelos dedos das mãos outros cantores ou grupos com currículo semelhante.

Obrigado pela visita.