domingo, 11 de fevereiro de 2007

Só não sai a Lotaria

Acontece
.
Aconteceu-me em 1995, então a finalizar o curso universitário. Para custear parte das despesas de subsistência no Porto, dava explicações de Inglês a filhos de pessoas minhas conhecidas. A maior parte dos trabalhos tinham lugar no mítico café Vasco da Gama, na rua da Boa Hora.
.
Em dado momento tive três explicandos. Recordo-me apenas do nome de um deles, o Ricardo, filho da D. Fátima, funcionária dos Serviços Sociais da Universidade do Porto; os outros dois eram irmãos: uma rapariga que fazia o 11º e um rapaz que estava no 9º, netos da falecida D. Rosa, governanta da residência universitária onde vivia - a RUNA.
.
Num dia em particular (relevante para o relato, mas cuja data não interessa especificar), calhou ter trabalhado com os 3 (ou pelo menos 2 deles, incluindo um dos irmãos - a memória não dá para mais!), em horas diferentes do dia. Palavra puxa palavra, descobrimos que, os 4 - explicador e explicandos -, fazíamos anos no mesmo dia. Precisamente aquele.
.
A probabilidade de que tal possa acontecer deve fazer inveja à probabilidade de acertar nos números da lotaria. Desconfio que preferiria ter dado de caras com esta última...
.
Mas por outro lado, também não teria esta história para contar...
.

3 comentários:

António Oliveira disse...

Essas coisas costumam dar sorte. Experimenta jogar no Euromilhões no dia de anos, colectivamente.
Quem sabe, se a sorte não baterá à porta...

Anónimo disse...

Ao contrário do que é dito a probabilidade é relativamente alta. Nada a ver com a probabilidade de ganhar no euromilhões!!! Uma distância quase infinita!

MANHENTE disse...

Olá, amigo!

Acredito que sim. O reflexo mental destas coincidências é que nos faz "aproximar" as probabilidades :-)