domingo, 24 de dezembro de 2006

As Rabanadas da Minha Mãe

Vianda
-
As rabanadas da minha mãe são as melhores do mundo. Indiscutivelmente! Dúvidas? Se alguém as tiver, fica desde já marcado um duelo de rabanadas junto ao Paço de Giela, em Arcos de Valdevez, para as 24 horas de hoje, noite de consoada. Atrevam-se!
-
Por que são as melhores do mundo? Antes de mais, porque é ela quem o diz (só aos filhos, claro); em segundo lugar, e não menos importante, porque sou eu que as provo.
-
Mas tenho uma boa notícia: a minha mãe não se importa de partilhar a receita; só não pode é emprestar as suas mãozinhas de fada. Desenrasquem-se!
-
Tudo começa pela escolha do melhor pão, claro: cacete com mistura de centeio, a cortar em fatias da grossura do dedo médio da mão. Leve-se o leite ao lume com 2 colheres de açúcar e uma ou duas cascas de limão, até ficar quente. Verta-se o dito para um recipiente, onde se irão molhar completamente as fatias de pão, uma a uma. O leite absorvido pelas fatias de pão em excesso deverá ser espremido entre as palmas das mãos. De seguida, passam-se por ovo batido e tornam-se a espremer do mesmo modo. Entretanto, já se colocou ao lume uma frigideira com bastante óleo, onde se fritarão as fatias de pão até que fiquem douradas. Também já se colocou uma cafeteira com água ao lume, a que se junta bastante açúcar, um pau de canela e três ou quatro cascas de limão. Deixa-se ferver até reduzir. À calda adicionamos, então, um cálice de Vinho do Porto. A ferver novamente até ficar apurado. Mais um cálice de Vinho do Porto e deixa-se que apenas levante fervura para obtermos a calda final, que se coloca num recipiente. Uff! Etapa final: embebemos as fatias de pão fritas nesta calda deliciosa, antes de as colocarmos na travessa ou taça, uma a uma. O que sobrar da calda, verte-se sobre ao que agora já podem chamar de As Rabanadas da Mãe do Rui.
-
E aqui têm o meu miminho de Natal. Prometo que comerei uma por cada um de vós... têm bom aspecto, não têm?
-
Espero que também gostem do meu blogue - recém nascido... E que o possam visitar muito de vez em quando, nem que seja para ver se não haverá por aqui mais algum miminho para os meus amigos - ou uma história que partilhemos.
-
Tudo de bom para todos.
Rui

2 comentários:

Victor disse...

Caro Rui (Manhente). Uma excelente prenda de Natal para todos os teus amigos, visto a "arte" de partilhar que um blogue permite é algo que considero maravilhoso. Bem vindo à blogoesfera, obrigado por dispores de algum do teu tempo para nos enriqueceres a todos com os teus saberes.
Quanto às rabanadas nem digo nada, pois guloso como eu sou, já me estou a deliciar somente com a imagem.
O facto de serem "da Tua Mãe", muito melhor pois nada é melhor do que os mimos da mãezinha dos quais só sentiremos o verdadeiro valor tarde demais.
Devemos, pois ususfruir de cada docinho, de cada momento, de cada ternura (ou mesmo ralhete) da nossa mãe.
Um Santo Natal para ti e para a tua esposa....

Esther disse...

Se me hace la boca agua con estas rebandas,algo que nunca preparé porque huyo de las frituras. Ahora que caigo en la tentación de la nostalgia y la Navidad me lleva en volandas a los tiempos en que era niña, vuelvo a saborear las torrijas de la abuela y las de mamá, que quería hacerlas como las de la abuela porque también a ella la atacaba la morriña.
Intentaré la receta de mamá Alicia a quien felicito por haber insuflado a su hijo tanta sensibilidad con cada cucharada de azúcar. Que el nuevo año no nos deje sentir amarguras. ¡Enhorabuena, Rui!