quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Ecovia de Ermelo, Arcos de Valdevez

Andarilho
.

.
O paraíso tão perto e nós não o conhecíamos! Bem, não será tanto assim: a falta de oportunidade e de tempo é que nos limitam a aventura de sair pausadamente, de conhecer melhor locais por onde passamos com a pressa de quem não estará cá amanhã.
.
A ecovia de Ermelo, no concelho de Arcos de Valdevez, é certamente um bom pedaço desse Éden da civilização que todos procuramos. Literalmente, um deserto de gente exuberantemente verde e aquático. Vivêssemos nós num país do norte da Europa e teríamos outra Oxford Street em hora de ponta! Mas por cá, país de bola, novelas e Maria, não. Fica para os poucos que se querem dar a estes prazeres, que, a bem da verdade, só assim o são.
.
As condições atmosféricas eram perfeitas para esta caminhada outonal: céu quase limpo e temperaturas entre os 10º e os 25º, de início de manhã e hora do almoço - as condições ideais para um piquenique soberbo.
.
Partimos da área de lazer que serve a ecovia, perto de Vilarinho de Souto, em direcção à aldeia de Ermelo, a pouco mais de 4 quilómetros. Na outra direcção, a de Arcos de Valdevez e Ponte da Barca, ainda só estão abertos 500 metros da grande ecovia que ligará a raia a Viana do Castelo, em todo o percurso do rio Lima, e da qual já percorremos um troço da ligação Ponte da Barca - Ponte de Lima, aqui.
.
.
Em The Machine in the Garden, de Leo Marx, um clássico da cultura americana, podemos ler sobre a aspiração de algumas das primeiras gerações de colonos americanos na conquista daquele vasto território - a de construir no Novo Mundo uma paisagem humana à medida da natureza e não o inverso. Aqui, neste recanto do Alto Minho, face a esta geometria natural, vestimos necessariamente a pele desses colonos...
.
Desculpem! Já estou a divagar, que é o que as águas calmas do Lima à nossa direita, as bolotas a estalarem sob as nossas botas e as sombras serenas dos carvalhos e castanheiros nos provocam. Divagar, sonhar, querer repetir indefinidamente aquele passeio. Só o odor a cadáver de um javali descuidado a boiar junto à margem, logo no início do percurso, nos trás à realidade.
.

.
As conversas de amigos que só se vêem nestes momentos de convívio tomam, a espaços, o lugar dos nossos devaneios, mas por pouco tempo: as castanhas caídas nos seus ouriços espicaçam o espírito recolector que trazemos adormecido. Os bolsos enchem-se com a promessa delas quentes, a saltarem de dedo em dedo, à noite, depois do jantar. São estas que sabem melhor, segundo dizem os meus amigos e familiares; e eu acredito, que só de os ver deliciados me encho de felicidade.
.

.
E depois a Dona Maria e os seus três companheiros, já em Ermelo, com a segurança de saber que terá apenas estes caminhantes ocasionais em sentido contrário, numa via que sente toda sua, e com quem gasta as palavras acumuladas dos dias solitários de aldeia. E a fotografia que lhe prometo deixar num café de Arcos de Valdevez, depois de revelada.
.
.
Deixámos Ermelo para trás e caminhámos mais algumas centenas de metros, até à ponte antiga, sobre pequenas lagoas apetecíveis. É aqui que repomos energias com uma sandoca, que só de alma cheia não vivemos. É hora de fazer o percurso inverso, com um desvio ao centro da aldeia, pois todos ansiamos por um cafézinho - ai triste realidade, que até nisto te fazes lembrar!
.

.
Mas não só por isso fazemos o desvio, e ainda bem, que cafés nem vê-los! O mosteiro cisterciense de Santa Maria do Ermelo, em estilo românico, compensa o desgosto palatino. A imagem do São Bentinho com o seu chapéu característico mereceu comentários díspares, mas todos nos curvámos perante a singeleza do templo e a beleza decadente do claustro em ruínas. O silêncio que se ouvia e o aspecto cuidado da aldeia, com muitos edifícios recuperados, fazem-me duvidar da inteligência dos homens: que razões para este Éden minhoto só ser conhecido pela romaria anual e as suas deliciosas laranjas tardias?
.

.
O regresso fez-se com o ânimo de anteciparmos os acepipes que nos esperavam. E que bem nos souberam, naquele espaço verde à beira-água! As mesas de madeira da área de lazer foram dispostas com gosto e inteligência, para nosso prazer. Cada um partilhou com os outros o que trazia (e com os que não sabiam que deviam trazer), em especial o vinho, que se bebeu deliciadamente, pois é aqui, ao ar livre, em paz, que melhor sabe.
.
Um grupo de caçadores juntou-se a nós, a alguns metros. Vinham com a casa às costas: um bom pedaço de entrecosto fazia as vezes da caça, pois essa não se consome no próprio dia, qual troféu a exibir. Não lhes faltava nada, incluindo a louça tradicional onde haviam de saborear o que tinham sobre as brasas. No fundo, como nós, o que os une é a necessidade de partilhar em convívio.
.
Chegou a hora do regresso, que encetámos realizados - e com muita vontade de voltar.
.

.

8 comentários:

Ermelinda disse...

Rui. Vim ao teu blog porque a Rosário me alertou para o teu artigo sobre Ermelo. Está lindo...com imagens muito bonitas e elucidativas quanto à beleza do trilho.
Parabéns!!
Beijinhos para voces os dois

MANHENTE disse...

Olá, Ermelinda!

Obrigado pela visita.

Temos de repetir o passeio. Talvez num daqueles dias de muito frio, para sentirmos a natureza no rosto. E almoçamos no Soajo. Que tal?

Um abraço ao Alexandre.

Susana disse...

Apesar de não conhecer esta ecovia, confesso que o teu artigo me fez viajar nela, ainda que em pensamento.As fotos complementam magnificamente o relato do belo passeio.Fiquei com vontade em partir à descoberta deste belo cenário ribeirinho.

MANHENTE disse...

Olá, Susana!

Que Susana, estou eu para aqui a magicar! Já são muitas as Susanas que se me cruzaram neste belo caminho da vida, e como são todas boas amigas, também poderias chamar-te Rosa (That which we call a Rose/ By any other name would smell as sweet), que não desmerecerias a minha resposta.

Obrigado pelo teu comentário. E não percas a oportunidade de percorrer esta ecovia, que bem justifica a nossa presença e o nosso louvor.

Tudo de bom.

Panda disse...

Olá professor Rui belas fotos da ecovia de Ermelo. Gostava de saber em que dia foram feitas as fotos pricipalmente a do javali na água.
Um abraço Adelino (Ponte da Barca)

MANHENTE disse...

Olá, Adelino!

Como está? Obrigado pelo seu comentário. A foto foi tirada no dia 17 de Outubro, pelas 09.30 da manhã. Deixou-me curioso pela pergunta: já o imagino, qual Sherlock Holmes, a investigar a causa da morte do bicho :-)

Tudo de bom para si e cumprimentos ao Sr. Jaime e ao Armando, em particular. Não se esqueça de que há que repetir a caminhada da Peneda!

Um abraço.

cunhavelho disse...

Olá Rui.
Criaste em mim uma absoluta necessidade de explorar esta Eco-via.
Um abraço

MANHENTE disse...

Olá, Cunha Velho!

Obrigado pela visita.

Não deixes de fazer este percurso. As minhas palavras (e mesmo as fotos) não lhe fazem jus. Ainda não tive oportunidade de o repetir, mas só não o farei se não puder.

E o piquenique é mesmo um "must"!

Um abraço,
Rui